Notícias

Rainey Marinho inicia sua gestão à frente do IRTDPJBrasil

A partir de hoje, 2/1/2019, o IRTDPJBrasil para a ter nova Diretoria Executiva e Conselho Fiscal. O presidente do Instituto para o período de 2019 a 2021 é Rainey Barbosa Alves Marinho, oficial do 2º Ofício de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoas Jurídicas de Maceió/AL. A primeira reunião da diretoria eleita acontecerá no dia 6 de fevereiro, na sede do IRTDPJBrasil, em Brasília/DF, quando será feito o planejamento das ações para o triênio.

Ocupam os demais cargos diretivos do IRTDPJBrasil os registradores Rodolfo Pinheiro de Morais (RJ) – vice-presidente; Onivaldo Moisés Mariani (PE) – 1º secretário; Pérsio Brinckmann Filho (RS) – 2º secretário; Francisco Cláudio Pinto Pinho (CE) – 1º tesoureiro; Júlia Vidigal (MG) – 2ª tesoureira. São membros do Conselho Fiscal, os registradores Glória Alice Ferreira Bertoli (MT), Sônia Maria Andrade dos Santos (RJ) e Paulo Roberto de Carvalho Rêgo (SP).

Rainey Barbosa Marinho nasceu em Maceió, em 1º de março de 1968. Titular do 2º Ofício de Registro e Documentos e de Pessoas Jurídicas de Alagoas, já soma 30 anos de carreira cartorária. É presidente da Associação dos Notários e Registradores do Estado de Alagoas e do Sindicato dos Notários e Registradores do Estado de Alagoas. É, ainda, vice-presidente da Confederação Nacional dos Notários e Registradores. É membro da Academia Alagoense de Letras, com vários títulos publicados.

Na entrevista, a seguir, o novo presidente do IRTDPJBrasil fala das metas e desafios da sua gestão.

Quais serão prioridades do senhor na presidência do IRTDPJBrasil?

O nosso segmento passa por um momento de grandes transformações. O Instituto continuará trabalhando voltado ao desenvolvimento de ações que conectem nossos associados às novas tecnologias e, principalmente, para dar continuidade ao processo começado na gestão do colega Paulo Rêgo, que é transformar o RTDPJ em uma grande rede de interligação, distribuindo serviços e encurtando distâncias; servindo à população como porto seguro de seus negócios jurídicos.

O lema da sua chapa foi “União e consenso para o IRTDPJBrasil crescer”. A classe de registradores de TD e PJ precisa se unir ainda mais em torno de objetivos comuns?

Gostaria de deixar claro que, quando nominamos a chapa de união e consenso, apenas explicitamos um caminho que já trilhamos, mas que deve ser o norte de nossa categoria.

Todos os colegas no País inteiro sabem que somente por meio destas ações será possível construir estabilidade e progresso. Elevamos apenas a união e o consenso ao nível de protagonistas em nosso segmento.

O senhor tem unicamente as atribuições de RTDPJ. Porém, a maioria dos cartórios têm também outras especialidades. Isso dificulta a valorização dos serviços de TD e de PJ?

Sinceramente acho que o Registro de Títulos e Documentos e de Pessoas Jurídicas está no ponto certo para operar uma imensa mudança nas mentes de colegas que, ainda, colocam nosso segmento em segundo plano.

O mundo busca encontrar o fiel da balança entre segurança jurídica, tecnologia e acessibilidade aos cartórios.  O RTDPJ é tudo isso e será muito mais. Melhor lançar os olhos para o futuro e observar esses resultados. Somos o “case” do momento.

Atualmente existem pelo menos 250 projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional e que afetam diretamente a atividade. Nesse sentido, como será a atuação do Instituto?

Sabemos que a atuação na esfera parlamentar não é fácil e nunca será. Mas, estamos prontos. Já estamos em movimentação com colegas de todos os estados buscando criar um pilar de acompanhamento legislativo intenso.

Temos uma grande equipe de trabalho separada por setores, que vão desde a elaboração de notas explicativas ao contato direto e republicano com os legisladores, que possuam dúvidas sobre os mais diversos temas. Nossa meta é contribuir de forma atuante e intensa com o processo legislativo, como já vem sendo feito.

Os parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, que passaram por grande renovação, precisam saber quais são as repercussões de cada projeto de lei para a população e como nós, registradores de TD e PJ, podemos ajudar.

Na gestão anterior, o IRTDPJBrasil cresceu em vários aspectos. Quais são os projetos e inciativas que o senhor pretende dar continuidade?

Os dois períodos de gestão do colega Paulo Rêgo foram de muitas conquistas na área institucional, política e, sobretudo, na tecnológica. Destaco, nesta oportunidade, o conjunto de ações na área da tecnologia da informação.

Hoje, o IRTDPJBrasil oferece aos seus associados a oportunidade de ter em seu cartório um sistema de informatização dos serviços completo e de última geração, o ProlexNet, que pode ser acessado inclusive em dispositivos móveis.

O sistema foi criado especialmente para as atribuições de RTDPJ e pode ser adaptado às normas de cada Corregedoria estadual, além de facilitar a adesão à nossa Central nacional.

Nessa seara, pretendemos ainda concluir a conectividade por meio da nossa Central RTDPJ, gerida pelo Instituto. É evidente que esse ponto de convergência terá que ser construído não só com uma base sólida tecnológica. Precisamos levar esse cenário de operações para todos os estados respeitando as características regionais. Será um trabalho árduo, mas tenho a certeza do nosso sucesso.

A Central RTDPJ é a maior plataforma de serviços registrais compartilhados. O que será feito para aperfeiçoar os serviços da Central nacional?

Vamos conseguir esse objetivo ampliando o debate; buscando soluções que atendam os anseios estaduais, mas principalmente nacionais; construindo um planejamento estratégico – faremos isso a partir de fevereiro com associados de todas as regiões.

Colegas em todo do País já têm a convicção da necessidade desta centralização. Questões operacionais ou tecnológicas vão ser superadas, basta bom senso, acreditar em um projeto maior, que é ampliar a magnitude do RTDPJ.

No X Congresso Brasileiro de RTDPJ, foi anunciada uma parceria para fomentar a adesão dos cartórios de RCPJ à Redesim. Convênios estratégicos com a Receita Federal  e outras instituições serão mantidos?

Como ficou evidente em nosso Congresso, realizado em Belo Horizonte, o RTDPJ e a Receita Federal do Brasil continuarão marchando juntos para sedimentar suas parcerias e quem sabe abrir novos projetos.

Os números deste ano que inicia mostrarão que o deferimento do CNPJ das entidades levadas a registro em todos os cartórios de RCPJ terá grande êxito.

O sucesso desta e de outras parcerias com a Receita Federal mostram o quanto essas duas grandes instituições podem trabalhar unidas em prol da população e do empresariado brasileiro.

Qual a mensagem final que o senhor deixa aos associados?

Talvez a melhor palavra para este novo ano é ACREDITAR.  Crer que é possível mudar expectativas e melhorar as nossas vidas e as vidas das outras pessoas através do planejamento, da união, e da transpiração.

Com Assessoria de Comunicação do IRTDPJBrasil